Câncer de próstata tem cura?

Diariamente surgem novidades no tratamento da doença, estas novidades são promissoras e aumentam a qualidade de vida dos pacientes.

Postado em 27/09/2017.

O câncer de próstata é o principal problema de saúde que ocorre em homens a partir de 50 anos de idade. A doença possui seu pico de incidência entre os 65 e 70 anos de idade. Ao que se tem conhecimento até hoje, se acredita estar relacionado ao processo de envelhecimento natural, já que estará presente em praticamente 100% dos homens com 90 anos de idade ou mais.

Um pouco do histórico da doença

Câncer de próstata tem cura?

Anteriormente aos anos 90 a maior parte dos casos era diagnosticada nos estágios mais avançados. A partir disto, os sintomas mais comuns apontavam a dores abdominais, dificuldades de urinar e ainda sangramento durante a urina e ejaculação.

Já a partir da década de 90, com o surgimento de exames de sangue chamados antígenos prostáticos específicos, este que é conhecido como PSA, esta é uma doença que começou a ser detectada em estágios cada vez mais precoces. A partir disto, os índices de mortalidade pela doença diminuíram de forma significativa.

Já o aumento do diagnóstico da doença em fases bastante iniciais, fazem com que a área médica questione os benefícios do tratamento do câncer nesta situação, já que em boa parte destes casos, a doença possui um comportamento indolente, e talvez levaria mais de 20 anos para gerar qualquer tipo de sintoma ou mesmo jamais evoluiria para formas mais graves e agressivas.

Como é o diagnóstico da doença no Brasil?

Aqui no Brasil, a medicina está bastante avançada neste sentido, e a maior parte dos casos de câncer de próstata é diagnosticada nos estágios iniciais e com a doença localizada. A partir disto, a proporção dos casos de doenças metastática está algo diretamente relacionado ao acesso aos serviços médicos de qualidade, bem como o diagnóstico precoce da doença.

Nos Estados Unidos por exemplo, somente 5% de todos os casos do câncer de próstata são descobertos em estágio de metástases. Aqui no Brasil, existe uma estimativa de que 30 a 35% de todos os casos novos da doença são descobertas em um estágio avançado.

Esta situação ocorre principalmente devido a limitação de serviços médicos em diversas áreas do país, a campanha de rastreamento da doença de forma ilimitada, bem como questões culturais envolvidas poderão retardar inclusive com grande excesso a procura do homem aos profissionais urologistas.

Existem chances de cura para a doença?

Sim, existem grandes possibilidades de cura para a doença, desde que ela seja descoberta em seus estágios iniciais. Existem alguns fatores que também facilitam o tratamento do problema, entre eles podemos citar a idade e a expectativa de vida, além de condições de saúde associadas, entre elas as doenças cardíacas, o diabetes, a insuficiência renal entre outras doenças. O estágio de descoberta da doença, se será inicial ou em metástases, além de condições diversas de tratamento disponíveis e a experiência existente da equipe dos médicos.

As chances de cura existem, e a resolução deste problema deverá ocorrer através de uma cirurgia para a remoção completa da próstata, a chamada prostatectomia radical, ou ainda a radioterapia. Nas situações especiais é possível se utilizar de forma combinada a cirurgia bem como a radioterapia, além de bloqueadores de testosterona.

Em estágios mais avançados da doença, a erradicação completa dos focos da doença no corpo não é possível atualmente. Por isso dizemos que a doença não tem cura nesse estágio e o objetivo de tratamento é de inibir o crescimento de células cancerosas o maior tempo possível.

A utilização de bloqueadores de testosterona, com a doença em estágio avançado, assim como em situações especiais, é uma alternativa de tratamento que levam a controlar a doença por um grande período de tempo.